Monstros no cinema mundial

Neste mês das bruxas, o Arte 7, trás uma lista com alguns dos monstros mais marcantes da história do cinema. Divirta-se… ou não.

 

1. Godzilla

Gojira, como é conhecido no Japão, surgiu nos cinemas em 1954. Ao longo dos anos o personagem já assumiu diversas facetas.Desde o do herói que salva a cidade de outras ameaças, até a do próprio monstro destruidor que precisa ser detido. O que poucos sabem é que originalmente Godzilla é fruto de um trabalho que buscou reproduzir de forma metafórica os horrores da guerra e o uso de armas nucleares (os ataques a Hiroshima e Nagazaki serviram de grande inspiração para o filme).

Gigantesco, ameaçador, aparentemente invencível e dotado de um rugido tão marcante quanto o do T-Rex, Godzilla, ainda é um dos monstrengos mais famosos da história do cinema. Foi reproduzido mais de 30 vezes em diferentes filmes, ganhou duas séries animadas, histórias em quadrinhos e aparições na TV.

Este slideshow necessita de JavaScript.


2. Cabeça de Pirâmide (Silent Hill)

Se você já jogou algum game da saga “Silent Hill” ou assistiu algum dos filmes, certamente,  conhece esta criatura medonha e brutal. Apelidado de Cabeça de Pirâmide (Pyramid Head, Red Pyramid, Thing Red Triangle Thing ou Red Pyramid ) o personagem não possui um nome oficial, porém este detalhe não diminui a tensão provocada por ele quando surge na tela.

Como tudo em “Silent Hill”, o monstro, tem uma relação subjetiva e interpretativa com a trama. Sua aparência e ações violentas funcionam como um materialização dos sentimentos ruins reprimidos pelos personagens humanos. O que faz com que sua presença na história seja mais sinistra do que aparenta. Outra bizarrice do personagem é que ele não ataca apenas os humanos, mas qualquer outra criatura de Silent Hill.

Cabeça de Pirâmide empunha uma gigantesca lâmina, nunca corre e não fala (apenas emite gemidos de dor). Dica do A7: caso você encontre um desses por aí, corra… corra muito !!

Este slideshow necessita de JavaScript.


3. Xenomorfo (Alien)

Apresentado ao mundo em 1979 através do longa de Ridley Scott, o Xenomorfo, é um dos mais  icônicos monstros da história do cinema. Tomado por um extinto caçador e brutalidade incontroláveis é dotado de uma fama que quase dispensa apresentações formais.

Ágil, forte e mestre em ataques furtivos, o Alien (como é popularmente conhecido), tem uma aparência humanóide, sendo capaz de se manter de pé com duas pernas ou se mover rapidamente quando de quatro. Sua dieta se baseia em QUALQUER coisa viva, de seres humanos à animais, todos são um prato cheio para o monstrão intergalático.

Sua relevância no cinema é tão significativa que é impossível pensar em um Xenomorfo e não lembrar de seu sangue verde ácido e de sua língua mortal dotada de uma segunda boca na ponta.

Este slideshow necessita de JavaScript.


4. Basilisco (Harry Potter e a Câmara Secreta)

Quem já assistiu filmes da franquia Harry Potter sabe que quando este rapaz decide investigar mistérios do mundo dos bruxos não costuma ter uma recepção muito calorosa. Em seu segundo ano em Hogwarts, Harry, descobre uma passagem secreta em um dos banheiros da escola. Lá, nas profundezas da Câmara Secreta, o jovem bruxo encontra pela primeira vez um Basilisco.

Também conhecido como ‘O Rei das Cobras‘, o monstro, é uma criatura perigosa e mortal. Pode alcançar até 15 metros de comprimento e tem a capacidade de matar apenas com o seu olhar. A serpente, nasce quando um ovo de galinha é chocado por uma rã e está normalmente está relacionada com os bruxos das trevas, contudo pode ser controlada apenas por Ofidioglotas (quem fala a língua das cobras). Suas presas são dotadas de um poderoso veneno que é curado com a aplicação de lágrimas de Fênix.

O Basilisco se alimenta de mamíferos, apresenta uma resistência a feitiços que causam desmaio e seus pontos fracos são os olhos e a parte interna de sua boca.

Este slideshow necessita de JavaScript.


5. Lobisomem

A lenda do lobisomem teve sua origem na mitologia grega e ao longo das eras foi sendo adaptada por diversas culturas em todo o mundo. Mesmo com pequenas alterações regionais e específicas de cada país, a maldição do Lobisomem, é tratada em geral como uma espécie de punição divina que transforma um humano em lobo.

A primeira aparição deste incompreendido amante da lua cheia nas telonas foi em 1935 no filme da Universal Pictures, “O Lobisomem de Londres“, sendo considerado um marco na história do cinema de terror (mesmo com o fracasso na bilheteria). Desde de então, o personagem, veio se tornando cada vez mais popular. Sendo adaptado, modificado e reinventado diversas vezes em suas incontáveis aparições nos cinemas.

Essas mudanças podem ser claramente percebidas quando comparamos filmes como: “Anjos da Noite”, “Van Helsing”, “Um Lobisomem Americano em Londres”, “Dog Soldiers – Cães de Caça”, “Saga – Crepúsculo”, “Le Pact Des Loups” (francês), entre outros.

Este slideshow necessita de JavaScript.


6. kaiju (Círculo de Fogo)

Kaiju: palavra japonesa que significa “Monstro”,”Besta”, “Animal incomun” ( e do quê mais esses seres colossais poderiam ser chamados ?!).

Em “Círculo de Fogo” o diretor, Guilhermo del Toro, inseriu no cinema hollywoodiano um estilo de produção muito comum no oriente, filmes com monstros e robôs gigantes. Na trama, a humanidade trava uma desesperada luta contra os Kaijus, seres monstruosos que surgem através de um portal dimensional e destroem tudo em seu caminho. Para vencer esta guerra as maiores nações do mundo se unem e desenvolvem os Jaegers. Robôs humanóides gigantes controlados por dois pilotos que têm suas mentes interligadas através de uma conexão neural.

Um artifício muito interessante (na minha opinião) presente no filme é que cada Kaiju, assim como os Jaegers, possuem habilidades e aparências características. No longa podemos ver monstros do tipo Knifeheads, Axeheads e Trespassers.

“Círculo de Fogo” é encarado por muitos como uma grande homenagem aos clássicos personagens japoneses: Godzilla, Ultraman, Ultra Seven, Robô Gigante, National Kid e Spectremen.

Este slideshow necessita de JavaScript.


7. A Mosca

Esse vai para aqueles que curtem um bom clássico de terror trash.

A ficção científica, “A Mosca“, foi lançada em 1986 e foi muito bem recebido pela crítica e pelo público. O longa conta a história de Seth Brundle (Jeff Goldblum), um físico que está trabalhando em uma máquina de teletransporte. Após alguns resultados positivos testando seu invento com objetos e em um macaco, Brudle, sente-se encorajado a testar a máquina nele mesmo. Porém, uma mosca- doméstica fica presa dentro da cabine com o cientista. O resultado: uma fusão genética entre Seth e o inseto. A partir daí acompanhamos a bizarra e “desconfortável” mutação do protagonista em uma mosca humanóide.

Com uma arrecadação mundial de U$60 milhões e a elogiada atuação de Goldblum no papel principal rendeu ao filme o Oscar de “Melhor Maquiagem”, e o Saturn Award de “Melhor Ator” para Jeff Goldblum, “Melhor Filme de Terror” e ” Melhor Caracterização”

“A Mosca”, foi dirigido pelo mestre do terror David Cronenberg e ainda hoje é capaz de causar calafrios nos espectadores.

Este slideshow necessita de JavaScript.


8. A Coisa (Um Enigma de Outro Mundo)

Já se imaginou morando no Ártico; em base científica isolada do mundo e descobrir que ela foi invadida por um organismo alienígena que além de assimilar sua vítimas, se transforma em uma cópia exata delas? Esta é a premissa da ficção científica de horror, “O Enigma de Outro Mundo” (“The Thing” no título original).

O filme foi lançado em 1982 e é considerado um remake de “O Monstro do Ártico” (1951). Dirigido por John Carpenter, o longa, aposta na construção do medo e na paranóia dos personagens. Tudo isso somado a uma atmosfera de isolamento e constante suspense. O uso de efeitos práticos (maquiagem) têm sua parcela de importância para a criação do horror na trama, conferindo ao longa um tom mais grotesco e trash.

“O Enigma de Outro Mundo” está entre os grandes clássicos de terror sci-fi. E ainda hoje, serve de inspiração para outras obras do gênero (se você assistiu “Stranger Things” sabe do estou falando).

Este slideshow necessita de JavaScript.


9. Balrogs, O Flagelo (Senhor Dos Anéis)

Quando o diretor, Peter Jackson, recebeu a desafiadora tarefa de adaptar “Senhor dos Anéis” para o cinema ele ajudou a criar uma das maiores e mais conhecidas obras cinematográficas da história. Parte deste sucesso ficou a cargo da caracterização dos personagens e dos cenários que enriqueceram ainda mais o visual do filme. Entre tantos seres fantásticos e criaturas medonhas, nós do Arte 7, escolhemos um dos monstros mais antigos da Terra Média, Balrog de Moria.

Poderosos e de origem misteriosa, os Balrogs, são espíritos primordiais que foram convocados para lutar nas guerras da Primeira Idade ao lado do Senhor do Escuro Morgoth. Com o fim da guerra e a queda de Morgoth, os Balrogs restantes se ocultaram no mundo e nunca mais foram vistos.

A criatura presente em “Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel” é tida como uma das últimas de sua espécie e trava uma das batalhas mais memoráveis de toda a franquia contra o mago Gandalf. Confronto este que popularizou a frase: “You shall not pass!!” (Você não passará!!).

Este slideshow necessita de JavaScript.


10. King Kong

Terminamos esta lista com o primata mais famoso da sétima arte. O rei da Ilha da Caveira, King Kong.

O primeiro filme do gorilão surgiu em 1933 e foi um sucesso de bilheteria, arrecadando cerca de 90 mil dólares somente no primeiro dia de estréia. Na trama um diretor de cinema viaja com sua equipe para uma ilha desconhecida para produzir seu novo filme. Lá, eles encontram ciraturas pré-históricas e, é claro, Kong. Um gigantesco primata que é capturado e levado para Nova York para exibição. Tudo estava bem, até que nosso “amiguinho” decide se soltar e dar uma passeio pela cidade.

Desde o seu lançamento original, “King Kong”, já ganhou outras duas refilmagens. Uma em 1976 (reprisado várias vezes na Sessão da Tarde) e a mais recente em 2005 dirigida por Peter Jackson (da trilogia “Senhor dos Anéis”).

Em suas diferentes versões, Kong, já foi interpretado por bonecos de 40 centímetros de altura, atores fantasiados que encenavam em cidades em minitatura ou criado por computação gráfica e captura de movimento.E mesmo com todas as diferentes técnicas usadas para imprimir o personagem na tela dois elementos clássicos nunca foram alterados: Sua paixão pela atriz Ann Darrow e a famosa cena final da escalada no prédio.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s